A vitória dos meus é minha vitória também!

Ser grato pelos seus é uma forma justa de agradecer.

Uma característica minha é gostar muito de participar da vida das pessoas do meu convívio. Naturalmente colegas vão virando conhecidos e, após alguns passos juntos, se tornam amigos. Alguns desses são de longa data e outros são praticamente da família.

Tudo começou na faculdade quando tive a sorte de cair em uma turma que eu chamo de “iluminada”. Vocês vão dizer: “- a olha ele ai se achando”, mas não é nada disso. Foi nessa turma do primeiro semestre da faculdade que eu descobri meu lado comunicativo, foi onde fiz amizades que levo para vida e que até hoje mantenho contato. Acompanhei a construção da carreira de cada um, no início foi um misto do sentimentos, de batalhar para chegar logo a minha vez. Depois se tornou um aprendizado para vida. Falávamos não só de trabalho, faculdade, mas também de vida pessoal, comportamento, expectativas, sonhos. Ali eu me encontrei.

Chefe contrata esse cara, se ele não for bom, demite ele e me demite junto!

Essa é a parte que eu chamo de orgulho. Eu sabia o quanto foi difícil conseguir minha primeira oportunidade no mercado de TI, e eu já tinha um sentimento de não querer que “os meus” passassem pelas mesmas armadilhas e dificuldades que passei, então que comecei a aprender muito com as pessoas e ajudar o máximo de pessoas que eu conseguia, o que deu muito certo.

Há poucos dias a vida deu uma reviravolta, um dos meus grandes amigos na área da tecnologia tomou a incrível decisão de trocar de emprego, mas não é tão simples assim, estamos falando de um líder de equipe, altamente reconhecido na empresa onde atuava, que estava em uma fase de muita ascensão da carreira, mas apareceu a oportunidade de liderar uma nova equipe, em um novo desafio e ele decidiu por encarar. Ele quis me contar isso em um momento informal, pela confiança que foi possível conquistar entre nós, o que me deixou muito feliz, mais feliz ainda, porque a decisão dele impactou também em um novo desafio para outro grande amigo. Sentimento de orgulho no peito, foi isso que senti. Parecia, até mesmo, que todas aquelas conquistas eram minhas também.

A vitória dos meus, é a minha vitória também!

É louco de mais se sentir assim e acredite, é difícil até que você aprenda a interpretar melhor o contexto no qual está inserido. O mercado é muito competitivo, se repararmos podemos perceber uma cultura de achar que é feio falar dos seus defeitos ou fraquezas para alguém, afinal isso aqui é “uma competição”. Não, amigo. Não pra mim. Eu falo de salário de forma aberta com as pessoas, falo de desafios, do que sou bom e do que eu me acho bem ruim também. Se eu não posso confiar no meus, em que eu posso confiar?

Para finalizar, queria gerar uma reflexão:

Por quem você está torcendo ou correndo? Você sabe quem corre e quem torce por você?

Comentários são bem vindos, experiências devem ser compartilhadas. Muito obrigado à você que leu! \o/

No Comments Yet